Turquia: Referendo amplia poderes de Erdogan e diminui valores democráticos

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Istambul – 27/04/2017

Passados dez dias da realização da votação para aprovar as mudanças na constituição turca, que prevê a alteração do sistema político da Turquia de parlamentarismo para presidencialismo e amplia os poderes políticos do presidente Recep Erdogan, o referendo está sendo contestado pela oposição, que acredita que houve fraudes durante o processo eleitoral.

O resultado final teve uma margem apertada, sendo que o “sim” venceu com 51,3% e o “não” teve 48,7% dos votos. O presidente Erdogan perdeu nas principais cidades do país, como Ancara e Istambul.

Com a vitória nas urnas, Erdogan conquista o direito de reeleger mais duas vezes, podendo ficar no poder até 2029, e poderá indicar ministros, juízes e servidores públicos, editar decretos e declarar estado de emergência (como o que está em vigor desde 15 de julho, após a tentativa de golpe de estado).

Suas ações, desde o golpe, têm sido pautadas pela tradição muçulmana e pelo conservadorismo e falta de democracia e liberdade de expressão, pois mais de 150 veículos de comunicação foram fechados, mais de 100 jornalistas estão presos no país, segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras, entre outros atos de repressão.

Por isso, entidades internacionais estão acompanhando de perto a situação que, acreditam, podem levar a Turquia a não conseguir fazer parte a União Europeia, até porque Erdogan pretende conseguir a aprovação da pena de morte no país, o que será um retrocesso ainda maior.

Só o tempo dirá se a Turquia conseguirá se manter como um Estado democrático ou se realmente, em pouco tempo, sua população estará vivendo um retrocesso ainda maior.

 

Compartilhe:

Deixe comentário