ONG Portas Abertas divulga Lista Mundial da Perseguição Cristã

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Avenida Istiklal, no centro de Istambul
Avenida Istiklal, no centro de Istambul

Istambul – 18/01/2017 – A classificação da Turquia piorou desde a tentativa de golpe contra o governo do presidente Recep Erdogan, em 15 de julho do ano passado.

De acordo com o relatório da ONG Portas Abertas, a pesquisa realizada para a produção da Lista Mundial da Perseguição é aplicada de novembro de 2015 a outubro de 2016. Assim, todos os dados relatados nesse conteúdo, bem como tendências e projeções são baseados neste período.

Para a Portas Abertas, a perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa de sua fé em Jesus.

Perseguição x Liberdade religiosa

A perseguição aos cristãos ocorre quando: são negados os direitos à liberdade religiosa; a conversão ao cristianismo é proibida por conta de ameaças vindas do governo ou de outros grupos da sociedade; são forçados a deixar suas casas ou empregos temerosos da violência que pode lhes sobrevir; são agredidos fisicamente ou mortos por causa de sua fé; são presos, interrogados e, muitas vezes, torturados por se recusarem a negar Jesus.

Cristão perseguido?

De acordo com o instituto de pesquisa Pew Research Center, quase 75% da população mundial vive em áreas com graves restrições religiosas. Para a Portas Abertas, a perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa de sua fé em Jesus. Hoje em dia existem cerca de 215 milhões de cristãos perseguidos nos 50 países que compõem a Lista Mundial.

Como o cristão é perseguido??

A Lista Mundial da Perseguição mede a liberdade que um cristão tem para praticar sua fé nas cinco esferas de sua vida:

Individualidade
A pessoa não é livre para escolher qual religião quer seguir, orar a Deus dentro de casa ou num lugar público, ter a Bíblia e outros livros cristãos para uso pessoal, etc.

Família
A perseguição vem por meio de pais, irmãos, tios, avós, primos e outros. O convertido é coibido de praticar sua fé em casa e enfrenta problemas em assuntos civis como casamento, enterro de familiares, herança e outros.

Sociedade
O cristão sofre pressão por meio de atitudes preconceituosas, leis, casamento forçado, dificuldade de acessar recursos, pressão para renunciar a fé, discriminação no trabalho, intimações à delegacia, etc.

Nação
O cristão enfrenta oposição, pois não há leis que garantam liberdade de culto e prática da fé. É considerado crime a prática da evangelização e, em casos mais extremos, a conversão. Enfrenta problemas para tirar o passaporte, realizar reuniões dos cristãos, entre outros.

Igreja
Quando há perseguição para realizar atividades comunitárias, como culto, reunião de oração, batismo, aula bíblica, entre outros. A opressão pode vir de diversos lados: dos vizinhos, do governo e da polícia. Também quando a comunidade cristã não tem acesso às Escrituras e a outros materiais religiosos.

Turquia piora sua classificação

O país subiu oito posições em comparação com a Lista Mundial de Perseguição do último ano. Em 15 de julho de 2016, a situação no país mudou drasticamente quando um golpe de Estado contra o presidente Erdogan falhou. A reação do governo foi tão agressiva que o país se tornou uma ditadura, afetando todos os aspectos da sociedade.

A situação geral de perseguição na Turquia reflete a situação bastante singular em que o crescente nacionalismo turco é combinado com uma crescente islamização da sociedade. As principais fontes de perseguição são a opressão islâmica e, em menor grau, a ditadura.

Todos os cristãos enfrentam algum nível de perseguição por causa da fé em Jesus Cristo. Comunidades de cristãos estrangeiros ou imigrantes estão presentes nas cidades maiores, e a maioria delas não é registrada/reconhecida, a não ser por se reunirem em edifícios religiosos históricos. Elas podem funcionar discretamente, exceto quando atraem cidadãos turcos ou refugiados muçulmanos.

Comunidades cristãs históricas são consideradas “estrangeiras” e são monitoradas regularmente, sujeitas a determinados controles por parte do governo. Os cristãos ex-mulçumanos, porém, são considerados traidores da identidade turca e suportam o peso da perseguição vinda de familiares, amigos, da comunidade local e das autoridades locais.

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

As igrejas protestantes não tradicionais são, em sua maioria, pequenos grupos. Muitas delas se reúnem em casas, podendo suscitar a oposição dos vizinhos.

 A igreja

O cristianismo tem uma longa história na Turquia. Devido aos esforços do apóstolo Paulo e seus ajudantes, congregações cristãs foram fundadas nos primeiros tempos do Novo Testamento na região que hoje é a Turquia. Quando o apóstolo João escreveu o livro de Apocalipse, ele começou escrevendo cartas a sete congregações no oeste da Turquia. Na fase inicial, a igreja agia secretamente devido à perseguição dos romanos.

Sob Constantino (imperador de 306 a 337), o cristianismo se tornou a religião do Estado. A cidade de Bizâncio (posteriormente se chamou Constantinopla e atualmente Istambul) se tornou um centro do cristianismo. Em 1054, ocorreu o Grande Cisma que causou uma divisão duradoura entre as igrejas ocidental e oriental. O resultado foi que Bizâncio passou a ser o centro do cristianismo oriental, ou ortodoxo, e também a capital de um enorme império – o Império Bizantino.

Mausoléu do ex-presidente Ataturk, em Ankara
Mausoléu do ex-presidente Ataturk, em Ankara

Em 1453, turcos otomanos conquistaram esse império quando tomaram a capital. Desde então, os cristãos na Turquia estão sob domínio muçulmano. Uma política de islamização começou e o cristianismo foi gradualmente perdendo sua posição influente. Desde 1923, com a fundação da República Turca por Mustafá Kemal Ataturk, apenas duas igrejas foram reconhecidas pelo Estado turco: a Igreja Ortodoxa Grega e a Igreja Ortodoxa Armênia. Juntas abarcam cerca de 70% de todos os cristãos na Turquia.

Comunidades de cristãos estrangeiros têm crescido com a chegada dos refugiados da Síria e Iraque. Além desses, há os cristãos de origem muçulmana, a maioria deles frequenta igrejas protestantes, muitas delas se reúnem em casas. A Portas Abertas tem apoiado a Igreja Perseguida na Turquia por meio da oração.

A perseguição

A conversão não é proibida por lei. No entanto, é provável que haja implicações sociais e familiares para a conversão do islamismo para o cristianismo ou de uma denominação cristã para outra. Isso leva os cristãos, por vezes, a ter uma vida dupla e esconder sua conversão.

Aqueles que escondem sua identidade cristã muitas vezes têm medo de encontrar outros cristãos, isso porque se converter ao cristianismo é considerado amplamente inaceitável.

Em famílias conservadoras, é mais difícil para os convertidos serem abertos sobre sua fé cristã – em particular para as mulheres –, pois estão sob estreita vigilância de suas famílias e comunidades e podem ser colocados sob prisão domiciliar e forçados a negar a nova fé.

O serviço secreto turco acompanha de perto os grupos cristãos e suas atividades. Organizar atividades fora da igreja é considerado uma prática evangelística e, portanto, impedido ou prejudicado por funcionários e pela comunidade.

No período deste relatório, dez igrejas foram fechadas ou atacadas. Um cristão siríaco foi sequestrado (mas logo libertado), cristãos foram feridos e dezenas de casas, empresas e propriedades foram destruídas e danificadas. Dezenas de cristãos foram forçados a deixar suas casas e alguns até fugiram do país.

O futuro

Depois do fracassado golpe de julho de 2016, a Turquia mudou drasticamente. O governo assumiu poderes mais ditatoriais, e o nacionalismo e a islamização dispararam. A luta contra a minoria curda militante se intensificou e a Turquia assumiu uma postura muito mais assertiva no cenário internacional, tornando-se militarmente ativa na vizinha Síria e no Iraque (visando principalmente às forças curdas).

Como resultado das novas e rigorosas políticas governamentais, o nível de intolerância aumentou contra todos aqueles que não se uniram a Erdogan. A minúscula minoria cristã estará enfrentando crescente pressão, o que se traduzirá cada vez mais em incidentes violentos. Essa tendência provavelmente permanecerá.

Pedidos de oração pela Turquia

A influência islâmica e a discriminação aos cristãos e outras minorias religiosas têm aumentado na Turquia. Ore para que Deus permita que aqueles que enfrentam a perseguição coloquem toda esperança e confiança nele.

Interceda para que os cristãos de origem muçulmana ministrem o evangelho com graça e sabedoria a suas famílias. Eles, muitas vezes, enfrentam forte pressão da família, amigos e comunidade para retornar ao islã.

Ore por aqueles que são rotulados e tratados como traidores depois de abraçar a fé em Jesus. Apesar de a conversão não ser proibida pela lei turca, há pesadas implicações sociais e familiares para quem se converte.

Classificação dos países

  1. Coreia do Norte
  2. Somália
  3. Afeganistão
  4. Paquistão
  5. Sudão
  6. Síria
  7. Iraque
  8. Irã
  9. Iêmen
  10. Eritreia
  11. Líbia
  12. Nigéria
  13. Maldivas
  14. Arábia Saudita
  15. Índia
  16. Uzbequistão
  17. Vietnã
  18. Quênia
  19. Turcomenistão
  20. Catar
  21. Egito
  22. Etiópia
  23. Territórios Palestinos
  24. Laos
  25. Brunei
  26. Bangladesh
  27. Jordânia
  28. Mianmar
  29. Tunísia
  30. Butão
  31. Malásia
  32. Mali
  33. Tanzânia
  34. República Centro-Africana
  35. Tajiquistão
  36. Argélia
  37. Turquia
  38. Kuwait
  39. China
  40. Djibuti
  41. México
  42. Comores
  43. Cazaquistão
  44. Emirados Árabes Unidos
  45. Sri Lanka
  46. Indonésia
  47. Mauritânia
  48. Bahrein
  49. Omã
  50. Colômbia
Compartilhe:

Deixe comentário